Os segredos de um bom preenchimento

Lábios volumosos sempre foram um ícone de beleza. Não por acaso, uma das mulheres mais bonitas do mundo, Angelina Jolie, tem a boca como o seu traço mais marcante. E embora tenha citado a musa hollywoodiana como referência, não defendo a padronização do que é belo, mas a beleza já existente em cada um de nós.

É assim que devemos encarar qualquer procedimento que busque harmonização facial. E com o preenchimento labial não é diferente.

Se engana quem pensa que não há ciência por trás da cosmiatria (área estética da dermatologia). Muito pelo contrário, vivemos uma época de um avanço progressivo na medicina estética. Por outro lado, existe um fator que influencia o resultado: as mãos do especialista. É como um artista, ele precisa ter um senso estético aguçado, mas também necessita de conhecimento técnico para aplicar a sua “arte”.

Então, não é preciso temer o resultado, mas ponderar algumas questões com o seu médico. Vamos conhecê-las?

– Qual local se aplica? Para um efeito natural, costuma-se injetar o preenchedor mais profundamente. As técnicas de aplicação são diversas e devem ser usadas e combinadas conforme as necessidades identificadas após exame físico cuidadoso.

– Para quem é indicado? Essa questão depende principalmente de duas variáveis: a necessidade do paciente e o bom senso do médico. O que isso quer dizer? Se o volume, espessura ou contorno dos seus lábios te incomodam, já é suficiente para uma indicação. Cabe ao dermato avaliar e propor o procedimento que produzirá o melhor resultado, em termos de harmonia e segurança, ao paciente.

– É dolorido? Com a anestesia tópica, é possível amenizar um possível desconforto. O preenchedor só é injetado após a anestesia.

– Qual preenchedor é utilizado? Em geral, o ácido hialurônico, que além de preencher os lábios e as linhas ao redor da boca (código de barras), também tem uma capacidade de atrair moléculas de água e induzir, em alguma medida, a formação do próprio colágeno do corpo  – melhorando a hidratação e sustentação da pele.

– Quanto tempo dura? Após cerca de um ano a um ano e meio, a substância é absorvida pelo corpo.

Não é preciso temer, mas a minha recomendação é que você pense e converse bastante com o seu dermato, que deverá avaliar suas necessidades e objetivos, bem como lhe oferecer a alternativa mais adequada de tratamento.