E seus efeitos na pele

Se antes as alterações e/ou complicações comuns ao envelhecimento eram consideradas parte de um processo natural do corpo, hoje sabemos que, embora mudanças ocorram, é possível envelhecer bem.

No caso das mulheres, as alterações cutâneas começam a ficar mais perceptíveis com a chegada da menopausa, já que existem mudanças hormonais significativas e que estão diretamente ligadas ao envelhecimento da pele. Vamos entender por quê?

Quando a menopausa se aproxima, os hormônios femininos (como o estrogênio e a progesterona) declinam gradualmente, trazendo uma série de mudanças também na sua pele – pouco a pouco as fibras colágenas e elásticas vão reduzindo em número e, consequentemente, ocorre um aumento da flacidez, além do aparecimento de rugas mais profundas.

Mas não para por aí. A fisiologia do envelhecimento é muito mais complexa e implica diversas outras alterações. Vamos conhecê-las?

– Lentificação da taxa de renovação celular;

– Redução nas secreções das glândulas sebáceas e sudoríparas, desencadeando o ressecamento da pele – propício para o surgimento de linhas de expressão;

– Diminuição progressiva da concentração de ácido hialurônico, componente que atrai moléculas de água, proporcionando volume e hidratação. Como consequência, a pele fica mais seca e com mais rugas, e ainda ocorre uma redução do metabolismo, já que a água é um meio para que os processos metabólicos ocorram;

– Predominância de hormônios androgênicos em circulação, levando ao aparecimento de pelos grossos sob o queixo e nas laterais da face.

Em outras palavras, todas essas transformações evidenciam os sinais do envelhecimento, que podem ser atenuados com uma rotina de cuidados dentro e fora do consultório. Vamos conhecer alguns?

Hábitos saudáveis: tanto o consumo alcoólico quanto o tabaco estimulam uma maior formação de radicais livres, que, por sua vez, promovem um estresse oxidativo e, consequentemente, o envelhecimento. Assim, a primeira dica é evitá-los;

Proteção sempre: o uso de filtro solar é um hábito que precisa ser cultivado em todas as fases da vida;

Dermocosméticos: produtos anti-aging, hidratantes, cremes antioxidantes, enfim, uma infinidade de componentes que, prescritos pelo seu dermato de confiança, poderá minimizar os efeitos do envelhecimento na pele.

“E no consultório?”
Bom, existem muitas possibilidades, tecnologias e técnicas que podem suavizar as tais marcas do tempo, melhorar a saúde da sua pele e evidenciar aquilo que você tem de melhor.

Portanto, minha recomendação para você que está nessa fase da vida é: não tenha medo de envelhecer, já que esse processo natural, ao contrário do que muitos pensam, traz muitos ganhos e força à sua pele, que com o estímulo e cuidados corretos refletirão em uma melhor versão de você mesma!